quarta-feira, fevereiro 18, 2009

Não é natural


O lobby gay não é uma fantasia ou mesmo um exagero. Ele existe, é muito poderoso particularmente agressivo e discriminativo em relação às pessoas que não comungam das suas opiniões. Eles protegem-se, promovem-se e marginalizam os outros, estando profundamente infiltrados nos mais diversos sectores da sociedade. Já em 2006 o PNR tinha realizado uma manifestação contra este lobby e os estragos por ele causados à sociedade, facilmente verificáveis através dos sucessivos avanços, subtis ou descarados. Adivinhava-se já nessa altura que seríamos nós, os Nacionalistas, os únicos a lutar com coragem e frontalidade contra o chamado “casamento” homossexual e contra o passo seguinte a esse que é a adopção de crianças por tais “casais”. Agora e muito bem a Igreja católica perdeu o medo saindo a terreiro para também manifestar o seu desacordo. Alguns iluminados vão-lhe já cair em cima, dizendo até que eles deviam era estar calados. São os mesmos iluminados, que quando essa mesma igreja ou alguma ovelha tresmalhada da mesma, fazem afirmações que lhes são favoráveis, não se cansam de as espalhar e louvar aos sete ventos.
Um campanha de lavagem ao cérebro começa já a ser montada pelo lobby gay, pelos média e com a colaboração da esquerda, que meteu no saco a cultura operaria.
Uma campanha aberta e descarada contra a família e contra a identidade está montada.
Pé ante pé, procuram-se destruir os pilares da sociedade, os avanços conseguidos pelos nossos avós. Não se admirem que em nome da “liberdade” e porque a homossexualidade não se discute, apareçam os “democratas” do costume a defender o casamento entre varias pessoas ou mesmo com animais. Os sinais já andam no ar, nos países baixos, produtores e exportadores de muitas destas modernices, já existe um partido que defende abertamente a pedofilia e que não pode ser ilegalizado em nome de todos esses conceitos com que agora se defende o casamento homossexual.

1 comentário:

João Gouveia disse...

Creio que não convém dogmatizar ainda mais preconceitos.